Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

NINHO DA ANDORINHA

 

Estamos de volta ao Cruzeiro para apresentar este belo pormenor de uma das esquinas com vários ninhos de andorinha que todos os anos religiosamente regressam a Castelões para fazer os seus ninhos.

 

Damos assim inicio a mais uma iniciativa do blogue de Castelões, que passa por apresentar a todos como é evidente o reino animal que pode ser observado na aldeia. Assim sendo a Andorinha vai tornar-se hoje no nosso anfitrião. 

 

As Andorinhas anunciam o início e o fim do Verão. Constroem o ninho com lama  nos beirais das casas ou no interior de celeiros, barracões ou outros edifícios de quintas. Chegam por volta de Março/Abril e entre Outubro e Novembro juntam-se em bandos, que chegavam as centenas de elementos mas que hoje infelizmente são bandos muito reduzidos, para rumarem a sul, a fim de passarem o Inverno. A andorinha-das-chaminés distingue-se da andorinha-dos-beirais por apresentar umas grandes guias caudais, umas asas mais angulosas e uma face avermelhada. O abdómen da andorinha-das-chaminés é entre o creme claro e o rosa-vivo, sendo a parte superior azul-escuro metálico; o abdómen da andorinha-dos-beirais é branco e a parte superior preta. Esta é alias a ave que nos rodeia em Castelões Alimentam-se de insectos, constróem o ninho com lama e põem entre quatro a cinco ovos de cada vez, entre Maio e Junho, que são incubados tanto pelo macho como pela fêmea. 

 

 

Esta ave possui uma grande capacidade de controlo de voo, que é bastante agitado e rapido, o que lhe permite fazer voos rasantes, tornando-a numa excelente predadora de insectos voadores. Em Castelões ha quem diga que quando as andorinhas voam junto ao solo nesses voos rasantes, é sinal certo que a chuva vem a caminho.

 

Esta andorinha como referedo anteriormente só nidifica nos beirais e noutras saliências das paredes exteriores das nossas casas. Foi em Castelões a ave mais representativa mas, nos últimos tempos, está em progressivo desaparecimento. O surto de construção civil a que nas últimos decadas temos vindo assistindo levou a que, nas nossas aldeias, as velhas casas com telhados de telha de canudo, que passavam de avós para netos, tenham vindo a dar lugar a modernas e confortáveis moradias.


Muitos dos proprietários desses imóveis, zelosos com a limpeza das paredes das suas habitações, enxotam as andorinhas dos beirais, dizendo-lhes:
-Vão fazer o ninho p'ra outro lado !...

 

Deste modo, o que dantes era desejado, por ser considerado um sinal de bom augúrio, passou a ser rejeitado, e as pobres das andorinhas dos beirais, escorraçadas de porta em porta, acabam por ser impedidas de cumprir a sua função de procriar.


Num passado ainda não muito distante, principalmente no seio das nossas comunidades rurais, as andorinhas eram consideradas aves sagradas, as galinhas de Nossa Senhora. Ai do miúdo travesso que ousasse destruir-lhes os ninhos !... Isto explica que estes permanecessem intactos e servissem de berço a sucessivas gerações de andorinhas dos beirais.
  

 

Em Castelões felizmente a mudanca de mentalidade das nossas gentes  fez com que a andorinha-dos-beirais tenha finalmente a sua eterna liberdade ja que niguem tenta destruir os seus ninhos e isso vai ter concerteza um saldo positivo, ja que nao podemos ver o nosso simbolo das aves cair em decadencia ou ate extincao. Esperamos sinceramente que os seus numeros aumentem e que possam mais uma vez ser a nossa ave sagrada.

Publicado Por Aldeia de Castelões às 22:48

Link Do Post | Comentar | Adicionar aos Favoritos

●Mais Sobre Mim

●Pesquisar Neste Blog

 

●Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

●Número de Visitas

free html visitor counters
hit counter

●O Tempo em Castelões

Weather Forecast | Weather Maps

●Contactos


bogas.raul@hotmail.com
marrocos.7@hotmail.com
afcunha55@hotmail.com
jmg70@cox.net

●Links Favoritos

●Castelões no Youtube

Viva Castelões
Marcha de Castelões
Aldeia de Castelões
Pão Comunitário
Chegada da Procissão 2008

●Fotos no Flickr

www.flickr.com

●Arquivos

RSS